Ir para o conteúdo. Ir para a navegação
Agenda Fórum Chat Mapa do Portal Fale Conosco Busca
 
Usuários ou organizações
Ainda não é cadastrado?
Esqueceu sua senha?
Catálogo Social da Bahia
 
Galeria de Fotos
 
Atividades de Extensão
 
Pesquisas
 
Biblioteca
 
Glossário
 
Modelos de Documentos
 
Mapoteca CIAGS
 
Legislação
 
Sites Relacionados
 
Utilidade Pública
 
Rádio Social
 
Sala de Imprensa
 
Informe seu e-mail
HTML Texto
Que tipo de informação você considera mais importante ao visitar o site?
Agência CIAGS de Notícias (sobre o CIAGS)
Agenda de Eventos
Clipping (notícias sobre gestão social)
Publicações Recomendadas
Vídeos
 
Home » Núcleos » Qualidade das águas » Justificativa
 
Ações do documento

Justificativa

No contexto atual, as cidades demandam a instituição de novas práticas e instrumentos gerenciais que sejam capazes de reverter o grave quadro sócio-ambiental que associa degradação dos recursos hídricos e precariedade de condições de vida. No processo de reestruturação das atribuições do estado e de globalização excludente, Salvador, a exemplo de muitas capitais do terceiro mundo, enfrenta o grande desafio de construir uma estrutura econômica menos polarizada, reduzir as altas taxas de desemprego, ampliar o acesso aos serviços básicos e de consumo coletivo e construir uma cidade ambientalmente sustentável, o que implica em implementar políticas públicas de cunho universalizante e democrático, voltadas para a melhoria da qualidade do ambiente urbano e das condições de vida dos seus habitantes

A cidade do Salvador tem passado, nas últimas décadas, por expressivas modificações na qualidade do seu ambiente urbano. Quem teve a oportunidade de viver a velha Cidade da Bahia lembra, às vezes com nostalgia, como a vida era diferente. Ainda que preserve muito dos seus atributos naturais, é uma cidade plena de contrastes, conjugando pobreza e riqueza como poucas metrópoles brasileiras. Abrigando um contingente de 2,6 milhões de habitantes (IBGE, 2004), Salvador aprofundou sua condição de cidade terciária e ampliou seu raio de influência no âmbito regional e estadual.

Salvador, envolta e entrecortada por águas não possui, hodiernamente, um conjunto de informações capazes de qualificar as águas.  Apenas nos dois últimos anos a Prefeitura Municipal do Salvador, através da SEPLAM, de forma tardia, começou a estruturar um Sistema de Informação Municipal – SIM-Salvador, que contempla a proposta de elaboração de indicadores relativos às águas. Porém, ainda que possam ser identificados avanços, uma das maiores lacunas desse sistema é exatamente a falta de dados sobre as condições das águas.

Também neste período foi elaborado pela Superintendência do Meio Ambiente um Programa de Diagnóstico, Recuperação e Conservação das Bacias Hidrográficas Situadas no Município de Salvador, visando articular e incentivar, por meio de parcerias públicas, privadas e/ou com a sociedade civil organizada, projetos e as ações com o objetivo de recuperar a qualidade das águas das bacias hidrográficas do Município de Salvador. Esse Programa esta sendo implantado de forma gradual – tendo a bacia do Jaguaribe como piloto.  

Segundo documentos da Coordenação Central de Produção de Indicadores Urbano-Ambientais – COPI/SEPLAM são os seguintes os motivos que justificam a importância da estruturação do referido sistema: a. “apesar de dispor de uma infra-estrutura tecnológica moderna, Salvador não dispõe de um sistema de informações, que articule o conjunto da PMS e que qualifique os dados disponíveis; b. a necessidade de avaliar a qualidade do ambiente urbano – particularmente a qualidade das águas, uma vez que os principais problemas urbano-ambientais e de saúde pública estão relacionados com as águas.; c. a necessidade de subsidiar e avaliar a eficiência e eficácia das políticas públicas com dados empíricos e indicadores, estimulando a implementação de ações que promovam a inclusão social; do imperativo de tornar transparente e democrática a gestão pública, estimulando a participação do cidadão e a gestão democrática da cidade” (SEPLAM, 2005).

Conforme depoimentos de técnicos da PMS, o quadro relativo à produção de informações sobre as águas é: (i) inexistência, por parte dos órgãos públicos, de um trabalho de avaliação e monitoramento do conjunto dos corpos d´água da cidade (apenas a EMBASA realiza a avaliação dos mananciais que utiliza para abastecimento público); (ii) os dados relativos aos serviços de saneamento ambiental – com destaque para o acesso a rede de abastecimento de água e esgotamento sanitário não refletem o real fornecimento dos referidos serviços, como, por exemplo, a intermitência no serviço de abastecimento de água. 

por Rodrigo Maurício última modificação 23/11/2007 17:59
 

2003-2005 © CIAGS/UFBA. Todos os direitos reservados. Autorizada a publicação do conteúdo
deste site em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, desde que citada a fonte.

Este site foi feito usando a Linguagem de Programação Python.      Este site foi feito usando o Servidor de Aplicações Zope.      Este site foi feito usando o Sistema de Gerenciamento de Conteúdo Plone.      Não às patentes de software!